quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Novos programas em experimentação

São mais de 800 escolas as que já estão a implementar o novo programa, afirmou João Costa ao Público. No ano passado foram formados 74 professores formadores, responsáveis pelo trabalho com 1400 docentes, que estão a fazer formação contínua. "A cada um destes professores foi pedido que trabalhe os novos programas com os colegas das escolas onde leccionam: é o chamado trabalho colaborativo, cuja aplicação está a ser acompanhada pelas direcções regionais de Educação.".
Guiões de implementação dos programas são material que, entretanto, está já a ser produzido e experimentado nas 878 escolas que aderiram ao projecto. O ministério espera em breve construir um sítio na Internet onde os professores possam aceder às boas práticas, elaboradas pelos docentes das escolas que estão já a trabalhar os novos programas.

Se tudo se concretizar, em 2011/12 vamos ter um lectivo em cheio: metas de aprendizagem para o ensino básico; novos programas de Língua Portuguesa; novo acordo ortográfico nas escolas.
Moral da história: Os programas vão sofrer "ajustes"; a formação continua; as escolas preparam a implementação dos programas. Parece que nada muda, segundo a notícia. Afinal, a suspensão dos Novos Programas de Língua Portuguesa é apenas um adiamento?

Independentemente da minha opinião sobre a primeira versão da TLEBS, ela foi lei. Foi suspensa. O programa foi homologado. Foi suspenso ou adiado, como lhe queiram chamar. Agora, é ver para crer.

Entretanto, os sindicatos convocam greve para o pxóximo dia 4. O primeiro sinal público do descontentamento dos docentes.

Ana Soares

Sem comentários:

Publicar um comentário