quarta-feira, 28 de março de 2012

Como conseguir que todos os alunos aprendam e a escolaridade obrigatória se cumpra?

Escolaridade obrigatória debatida no Fórum das Políticas Públicas do ISCTE-IUL

O Fórum das Políticas Públicas continua a centrar-se nos grandes temas da atualidade, lançando, no próximo dia 29 de março, pelas 17h30, no Grande Auditório do ISCTE-IUL, a discussão sobre como cumprir a escolaridade obrigatória assegurando a aprendizagem com sucesso de todos os alunos.

Na décima sessão do Fórum, Augusto Santos Silva e David Justino, ex-Ministros da Educação, vão confrontar argumentos a partir da questão “Como conseguir que todos os alunos aprendam e que a escolaridade obrigatória se cumpra?”, com moderação de João Sebastião.

Esta iniciativa é composta por um conjunto de debates sobre medidas de política pública, visando contribuir para o desenvolvimento e modernização da sociedade portuguesa. Os debates realizam-se semanalmente, até 3 de maio, e inserem-se nas comemorações dos 40 anos do ISCTE-IUL.

Com mais de duas dezenas de oradores, as treze sessões do Fórum das Políticas Públicas apresentam figuras reconhecidas na sociedade portuguesa, tendo a sua maioria desempenhado funções executivas em governos de todos os quadrantes políticos, e contribuído para o desenvolvimento e planeamento de políticas em áreas como a saúde, economia, educação, ambiente, finanças, entre outras.

terça-feira, 27 de março de 2012

Nunca houve um desenho curricular igual

Sexta-feira à noite, em Odemira, um auditório enorme para o número de pessoas que está interessado em A minha sala de aula é uma trincheira.
– O que pensa da Educação em Portugal?, pergunta um professor, no final da apresentação sobre o livro e sobre como as novas tecnologias podem ajudar ao sucesso educativo dos alunos.
– Sabe que os jornalistas devem manter a sua imparcialidade e se me ponho aqui a dizer o que penso, quando lerem uma notícia escrita por mim vão pensar que a fiz com base naquilo que penso... mas digo-lhe que em 15 anos de trabalho já passaram por mim sete ministros e acho que isso diz tudo sobre o que penso... É impossível trabalhar bem quando o nosso chefe está a mudar constantemente, ainda não nos adaptámos e já mudou. Faz falta uma coordenação entre os principais partidos, entre o PS e o PSD (que são eles que se alternam no poder) sobre o que querem para a educação e não andar a mudar tudo de cada vez que muda um ministro. Sem avaliar o que foi feito, sem saber se é, de facto, preciso mudar... – respondo.
– É verdade, desde que comecei a dar aulas que nunca, no secundário, o desenho curricular durou mais de três anos. As disciplinas estão sempre a mudar, agora temos umas, amanhã já temos outras – confirma uma professora, sublinhando o que eu acabara de dizer, mas com a prática da escola, dos docentes que andam a estudar nova legislação para poder aplicá-la; com professores submersos em burocracias, em vez de se dedicarem àquilo que deverão saber fazer melhor, que é ensinar.
E aí está mais um novo desenho curricular! Quanto tempo vai durar? Talvez uma legislatura.
Entretanto, os nossos filhos, tal como nós, são ratinhos de laboratório em experiências cuja única utilidade é encher os egos dos governantes. Nada mais.
B

segunda-feira, 26 de março de 2012

Novo desenho curricular






Pode consultar aqui a revisão da estrutura curricular hoje apresentada.