sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Nobel da Paz para Obama

“A diplomacia [de Obama] é fundada no conceito de que aqueles que lideram o mundo têm de o fazer tendo por base valores e atitudes que são partilhados pela maioria da população mundial”, diz o presidente do comité para o Nobel da Paz, justificando a escolha do laureado, o presidente dos EUA Barack Obama. Este é um galardão que, ao contrário de muitos outros, não é para premiar o trabalho feito, mas o que está por fazer. Barack Obama continua a criar expectativas e a ser fonte de esperança e de inspiração para o mundo, sobretudo numa altura em que o presidente está fragilizado no seu próprio país por lutar por um sistema de saúde mais justo. "Yes, we can!"
Parabéns!
BW

4 comentários:

  1. Maravilha esse cantinho.
    Clicando daqui, clicando dali, cheguei até você.
    Gostei do seu cantinho.
    Certamente voltarei mais vezes.
    Convido a conhecer FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... em http://www.silnunesprof.blogspot.com
    Saudações Florestais !

    ResponderEliminar
  2. Silvana, obrigada pela sua visita e pela oportunidade de conhecer o seu blogue, com uma banda sonora maravilhosa! Certamente hei-de voltar, de preferência na companhia dos meus filhos (mas não só!) para conhecer um pouco melhor a tradição brasileira. Obrigada. BW

    ResponderEliminar
  3. Nobel infame

    O Nobel da Paz para Barack Obama é uma brincadeira de mau gosto. Nada muito destoante dos condecorados anteriores, com a diferença de que o estadunidense nem precisou fingir que trabalhava para “fortalecer a diplomacia internacional e cooperação entre os povos” – primeiro porque não teve tempo e segundo porque não quis.
    Ele é responsável pela sobrevivência de um campo de concentração e duas guerras injustificáveis, espalhou bases militares na América Latina e silencia perante um golpe de Estado a poucas horas de Miami.
    Mas o comitê sueco quis enfraquecer o reacionarismo obtuso dos adversários do presidente. Aproveitou o grande marco histórico de sua vitória para lhe estender um salvo-conduto ainda mais duradouro e temerário que o já concedido pela provinciana imprensa mundial.

    Dylan-Lá

    Bob Dylan, descubro estupefato, concorre quase todo ano ao prêmio de literatura. Sua nova indicação, com apoios importantes, anuncia que a homenagem pode voltar a considerar apenas a importância da obra, não contingências político-biográficas. É só o velho bardo resistir mais alguns anos; o churrasco está marcado.

    ResponderEliminar
  4. Correcção: Barack Obama herdou um campo de concentração, do qual nenhum país quer receber os seus prisioneiros. Portugal é dos poucos países que já recebeu dois ex-prisioneiros de Guantanamo. Quantos recebeu o Brasil? Obama herdou duas guerras e não é fácil abandonar o Iraque ou o Afeganistão. Certamente que a mensagem enviada ao povo iraniano terá contribuido para o abanão que o Irão sentiu recentemente, com umas eleições das quais se desconhece se os vencedores o foram de facto.BW

    ResponderEliminar