segunda-feira, 15 de abril de 2013

O que o Ministério da Educação não quer ver

O trabalho da Clara Viana, no PÚBLICO, sobre o mega-agrupamento de Queluz-Belas revela professores tão lúcidos sobre os problemas que enfrentam pelo facto de terem quatro mil alunos num mesmo agrupamento.
A ideia peregrina de deslocar as crianças do 4.º ano para realizarem os exames também tem feito correr alguma tinta.
Nuno Leitão, director da Cooperativa Torre, em Lisboa, escreve em resposta a Nuno Crato.
Pedro Magalhães, investigador e autor do blogue Margens de Erro, escreve sobre os perigosos malfeitores que são os alunos do 4.º ano.
Mais uma vez, tanta lucidez! O que se passa com o Ministério da Educação que não vê o óbvio?
BW

Sem comentários:

Publicar um comentário